Molho de tomate e extrato de tomate: qual a diferença entre eles?

3 minutos para ler

Molho de tomate e extrato de tomate são ótimas opções para produzir aquela comida divinamente saborosa.

Isso é uma verdade que todo mundo sabe. Porém, a segunda informação que você deve saber agora, durante a leitura deste post, vai ajudar a tirar de vez as suas dúvidas sobre a utilização desses diferentes preparos para o ingrediente.

Especificamente, é muito importante entender como utilizar as melhores formas para o molho de tomate, o extrato de tomate, a polpa de tomate e o tomate pelati. Dessa forma, você poderá criar receitas incríveis, evitando desperdício com gás e facilitando a construção de sabores. Vamos lá?

Molho de tomate e extrato de tomate

Basicamente, a diferença está na concentração do tomate. O molho de tomate é mais líquido, já vem temperado e, dessa forma, não precisa, obrigatoriamente, passar por outras etapas para a finalização. Acontece de outro modo com o extrato de tomate, muito concentrado, com uma cor e sabor mais forte, sendo usado como base para molhos. O extrato geralmente vem apenas com sal e, em alguns produtos, adição de açúcar.

É bom lembrar que introduzir o tomate em refeições é um ótimo passo para uma dieta saudável. Ele é rico em vitamina C. Além disso, por conta do potássio, facilita o controle da pressão arterial, sendo um ótimo ajudante na prevenção de doenças cardiovasculares.

Polpa de tomate e tomate pelati

Há essas duas outras opções, que também servem de bases para vários preparos. A polpa de tomate é parecida com o extrato. Geralmente, a depender da marca, a diferença será percebida na concentração de tomates. Enquanto o pelati é o tomate cru, sem pele, envasado mergulhado em um pouco de suco. Em ambos os casos, o sabor não tem adição de outros temperos.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

Diferenças de preparo

Nada melhor do que utilizar exemplos para entender a diferença de cada modo de preparo do tomate. Uma lasanha, por exemplo, pode ser feita com molho, extrato, polpa ou tomate pelati. O que vai mudar é a quantidade de etapas do processo, que pode ser reduzida ou ampliada a depender da escolha. A mais prática, como já vimos, é utilizar o molho de tomate.

Porém, se você quer algo mais apurado, que tenha maior complexidade de sabores, utilizar os tomates crus ou a polpa pode ser uma boa opção. Dessa forma, a adição de outros componentes, como bacon, cebola, alho e manjericão fresco pode sofisticar ainda mais o prato. De todo jeito, qualquer uma das opções podem ser deliciosas, se preparadas adequadamente.

Como você notou, saber diferenciar molho de tomate e extrato de tomate é uma ótima ajuda no momento dos preparos de uma lasanha, almôndegas ou bruschettas italianas. Afinal, não há lógica em utilizar um extrato de tomate, que é apenas uma base “crua”, se você não vai temperar com outros ingredientes na hora de misturar com um espaguete, por exemplo. Por isso, nesse caso, o melhor é usar o molho de tomate, que já vem temperado e pronto para utilização.

Depois da leitura deste artigo pode acontecer duas coisas com você: fome ou vontade de fazer alguma comida com tomate. Se você quiser, aproveite e confira agora algumas indicações de molhos e extratos atomatados.

Você também pode gostar

Deixe um comentário