Conheça as 6 variedades de pimenta mais utilizadas no país

6 minutos para ler

Um ás da gastronomia mundial, a pimenta é responsável por vários processos na cozinha, tanto para realçar o sabor ou equilibrar a doçura quanto para dar potência ao prato ou até mesmo um ar exótico à refeição.

Sua característica mais marcante, claro, é a picância (ou pungência). É nessa parte que a pimenta toma duas direções, sendo adorada por uns e não tolerada por outros. Mas a verdade é que o fruto, se manipulado da forma correta, é extremamente saudável e saboroso.

A variedade de pimenta é tão vasta, incluindo diferentes níveis de pungência, que certamente existe a ideal para cada caso. É preciso também desmistificar o fato de que ela só pode ser utilizada nos pratos salgados, pois vai muito bem inclusive em doces. Neste post, falaremos mais sobre as espécies e suas características. Venha conosco!

A Escala de Scoville

A ardência característica, tecnicamente chamada de pungência, apresenta tanta relevância que tem seu próprio parâmetro de medida — chamado Escala de Scoville. A capsaicina é a substância responsável pela ardência que conhecemos, sendo medida por meio de sua potência.

O experimento é básico e funciona da seguinte forma: o farmacêutico Wilbur Scoville desenvolveu um método que consistia em misturar as pimentas para uma solução de água com açúcar. Quanto mais solução fosse necessária para diluir a pimenta, maior seria o grau na escala.

Para ilustrar, a pimenta biquinho (de pouca ardência e sabor marcante) apresenta a pontuação de 1.000 na escala. Já a malagueta, mais potente, registra entre 50.000 e 100.000.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

As pimentas mais comuns no Brasil

1. Pimenta biquinho

Se pudéssemos falar de uma progressão no mundo da extensa variedade de pimentas, certamente a biquinho daria as boas-vindas. Compacta, com formato arredondado e um pequeno “bico” (daí seu nome), ela tem uma picância quase nula e é extremamente saborosa para acompanhar pratos condimentados. Quando levada à boca, provoca uma “explosão” de sabores muito agradável, soltando seus sucos característicos.

2. Pimenta do reino

Muito usada na gastronomia tradicional, a pimenta do reino é um trunfo para qualquer tipo de culinária. A iguaria tem forte presença nos pratos das mesas brasileiras e é muito útil para temperá-los.

A ardência, diferente daquela apresentada pelas demais pimentas, vem de uma substância chamada piperina e é leve. Portanto, seu uso ocorre mais pelo sabor e para manter o equilíbrio das receitas, devido à sua potência.

Para aproveitar melhor seu sabor e seus benefícios, ela deve ser moída na hora de temperar. Muito versátil, esse tempero vai bem com quase todo tipo de proteína, em especial carnes vermelhas, peixes, cortes de porco e frango.

3. Pimenta dedo-de-moça

A pimenta dedo-de-moça pontua entre 5.000 e 15.000 na Escala de Scoville, ou seja, tem uma potência média. Um dos mais famosos dentro da variedade de pimenta nacional, esse tipo é muito utilizado no Norte e Nordeste, sendo perfeito para cozidos ou molhos e encontrado geralmente em compotas.

De sabor marcante e versátil, a iguaria também pode servir de decoração para o prato. Ela é encontrada inclusive na variação desidratada e em flocos, quando recebe o nome de pimenta calabresa.

Brigadeiro com pimenta dedo-de-moça

As pimentas são ingredientes incríveis e bastante utilizados em sobremesas com maior complexidade. O chocolate com pimenta é um clássico e, para prepará-lo, você precisa de:

  • uma lata de leite condensado;
  • meia pimenta dedo-de-moça picada;
  • três colheres de chocolate em pó;
  • manteiga para untar.

O processo é o clássico de brigadeiro: reserve a pimenta picada e leve a mistura de leite condensado, chocolate em pó e um pouco de manteiga em fogo médio/alto, misturando com movimentos circulares até dar o ponto (cerca de quatro ou cinco minutos). Cubra a pimenta com água no liquidificador, bata e depois peneire, incorporando uma colher de sopa do resultado ao brigadeiro.

4. Pimenta tabasco

Originária da América do Norte, a pimenta tabasco encontrou afinidade no solo do Nordeste brasileiro. Ela apresenta variações de sabor e picância de acordo com sua maturação, indo da cor verde e passando pelo amarelo ou laranja até chegar ao vermelho escuro (este último estágio é seu momento de maior potência).

Sua pungência é média/alta — e seu sabor, peculiar e indescritível. Pode-se fazer uso do molho pronto, em um tempero de pré-preparo ou pratos prontos. In natura, a tabasco costuma ser usada em saladas e peixes.

5. Pimenta-de-bode

Trata-se de uma iguaria famosa e muito bem-vinda na culinária do Centro-Oeste brasileiro. Esse nome curioso é reconhecido em algumas regiões do Brasil, mas em outras pode ser encontrado como pimenta de cheiro.

Sua pungência é média e seu uso ocorre quando está com a cor amarela. Ela fica deliciosa em pratos regionais e potentes, como galinhada, tutu de feijão e baião de dois. Além disso, pode ser facilmente utilizada em proteínas como carnes vermelhas, porco, cordeiro etc. Uma dica é temperar azeites e vinagres com sua essência.

6. Pimenta malagueta

A Zona da Mata brasileira é seu habitat natural. É incrível constatar que o sabor dessa pimenta peculiar atravessa oceanos — se considerarmos que está presente em diversos pratos das culinárias baiana e tailandesa, por exemplo.

A ardência da malagueta é alta e, para aproveitar seu sabor sem agregar tanta picância, é preciso usar pouquíssima quantidade. A iguaria está muito presente em receitas de moquecas, bobó de camarão, vatapá e no prato que envolve quase tudo isso: o tão delicioso acarajé.

Geleia de pimenta

Um dos pontos mais altos da culinária é experimentar! Que tal fundir uma das pimentas mais ardidas dessa lista com uma sobremesa (e também um acompanhamento)? Para tanto, você precisa de:

  • 500 g de pimenta malagueta;
  • uma xícara (chá) e meia de suco de limão;
  • duas xícaras (chá) de suco de tangerina;
  • 10 xícaras (chá) de açúcar mascavo;
  • duas xícaras (chá) e meia de água;
  • uma pitada de sal.

A primeira coisa a se considerar é: manipular pimentas com esse nível de ardência exige normas de segurança, portanto utilize luvas para a receita. Também é muito importante saber que é preciso cortar as pimentas ao meio e raspar todas as sementes do seu interior.

Posteriormente, basta cortá-la em cubinhos, juntar todos os ingredientes na panela e ferver em fogo baixo. Retire a espuma que vai se formando durante o aquecimento na panela e deixe reduzir até chegar ao ponto de geleia. Esse processo demora cerca de uma hora. O resultado é uma geleia extremamente saborosa, que pode acompanhar bolos, tortas, torradas etc.

Como a variedade de pimenta é imensa, em nosso post tentamos incluir um pouco mais desse mundo fantástico na sua mesa. Mas, para seguir as receitas e contar com os melhores produtos, recomenda-se ter a ajuda dos maiores especialistas do mercado no assunto.

Entre em contato conosco e saiba mais sobre como encontrar os melhores produtos para suas receitas. Até breve!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-