Quem trabalha com a comercialização de alimentos sabe o quanto é importante garantir que eles sejam de qualidade e que atendam as necessidades nutricionais dos consumidores. Nesse sentido, a segurança alimentar é uma série de práticas, normalmente desenvolvidas por um nutricionista, que visa assegurar às pessoas uma alimentação adequada.

Por serem termos parecidos, muitos ainda confundem a segurança alimentar com a segurança de alimentos. De forma geral, o primeiro diz respeito a políticas públicas que visam garantir qualidade nutricional à população. Já a segurança de alimentos está relacionada às práticas que asseguram que os alimentos não ofereçam riscos de contaminação às pessoas, podendo ser aplicada tanto em casa quanto a nível industrial.

Abaixo, listamos quais são os benefícios trazidos aos negócios que se preocupam com a segurança alimentar de seus produtos. Confira!

Demonstra preocupação com o desenvolvimento sustentável

A segurança alimentar e nutricional é um dos temas mais trabalhados pela ONU (Organização das Nações Unidas), já que a prática está relacionada ao combate da fome e pobreza mundial. Nesse sentido, o profissional em nutrição é o responsável por estimular a produção de alimentos locais e com melhores valores nutricionais, tudo isso para beneficiar o meio ambiente e também a saúde das pessoas.

Seguindo os princípios de segurança alimentar, o produtor vai oferecer a quantidade e qualidade adequada aos consumidores, respeitando a economia saudável e preceitos que garantem o desenvolvimento sustentável. O resultado será uma empresa muito mais comprometida social e ambientalmente, o que é muito valorizado nos dias de hoje.

Evita desperdício de alimentos e prejuízos

Levando em consideração que o alimento não poderá causar danos à saúde de quem o consome, as práticas de segurança alimentar também são responsáveis por combater o desperdício de alimentos.

O empreendedor terá muito mais cuidado para adquirir a quantidade de matérias-primas de que ele realmente necessitará em cada época, preocupando-se com as formas de armazenamento adequadas e prazos de validade. Com isso, diminuem-se os riscos de descarte de ingredientes que não podem ser consumidos e, consequentemente, se evitará a perda de dinheiro investido.

Atua em conformidade com as leis

Outro aspecto importante a ser considerado está relacionado ao cumprimento da legislação vigente. Em 2006, foi aprovada no Brasil, pelo Congresso Nacional, a Lei de Segurança Alimentar e Nutricional. Ou seja, há mais de uma década existem diretrizes para as boas práticas alimentares, visando o consumo sustentável e saudável.

É importante que os profissionais que trabalham com alimentos tenham conhecimentos a respeito de higienização dos alimentos e manutenção do espaço onde tudo é preparado, bem como atenção à própria higiene pessoal. Assim, diminuem-se riscos de contaminações químicas, físicas e biológicas, atuando em conformidade com a legislação.

Oferece serviço de melhor qualidade

No Brasil, o nutricionista tem papel fundamental nas empresas para garantir o cumprimento dos preceitos da segurança alimentar. Esse profissional tem o conhecimento necessário para adequar as realidades de diferentes modelos de negócios no setor de alimentação com as práticas de segurança alimentar.

O profissional deve criar regras e práticas que assegurem a manipulação correta dos ingredientes, como também deve garantir a qualidade daquilo que será consumido. O resultado será uma produção com melhor valor agregado e muito mais segura, tanto para a empresa quanto para os clientes.

Seguindo esses cuidados, o negócio correrá menos riscos de oferecer aos seus consumidores algo que não esteja no padrão de qualidade exigido tanto pela legislação quanto pelos próprios consumidores. Por isso, é fundamental que mesmo o pequeno empreendedor esteja atento a esse tipo de necessidade.

Se você gostou deste post sobre segurança alimentar, aproveite para assinar a newsletter e receber em primeira mão todos os nossos conteúdos!