A maionese está presente de norte a sul do país. Seja acompanhando o churrasco, incrementando uma salada ou dando suculência ao sanduíche, esse molho saboroso e levemente ácido faz parte dos hábitos alimentares dos brasileiros desde a primeira metade do século 20, quando a nossa versão da salada russa passou a ser servida nos jantares da alta sociedade.

A partir daí, já surgiram vários tipos de maionese: picante, com alho, sem adição de óleo e até vegana! Quer saber mais sobre algumas opções desse molho tão versátil? Então, continue a leitura!

Tradicional

A base da receita de qualquer maionese comum é ovo e óleo. Para fazer em casa, é muito simples. Basta adicionar ao liquidificador 1/4 de xícara de óleo, 2 gemas, 1 colher de sopa de limão e 1 pitada de sal. Enquanto essa mistura é batida, é preciso abrir um pouco a tampa do liquidificador e seguir adicionando um fio de óleo até atingir a consistência desejada. É importante incorporar o óleo bem aos poucos, para emulsionar.

Aioli

Esse molho tem se popularizado bastante e nada mais é do que maionese e alho! Para se chegar ao resultado perfeito, é só bater no liquidificador 300 g de maionese, 2 dentes de alho (de preferência sem o miolo, pois o sabor é mais forte), sal e pimenta-do-reino a gosto e 1 colher de sopa de suco de limão. Se preferir, também é possível acrescentar o alho durante o preparo da maionese caseira.

Maionese verde

Essa é a queridinha das hamburguerias e já se popularizou entre os jovens. Se quiser fazer uma versão para as crianças, experimente testar uma receita com ovos cozidos — para evitar a temida contaminação por salmonela, bactéria que pode aparecer em ovos crus.

É só bater no liquidificador 3 ovos cozidos, 1 dente de alho, 1/2 xícara de salsinha, suco de 1 limão, 1 pitada de sal e óleo ou azeite (se quiser deixá-la mais saborosa e saudável). Lembre-se sempre de adicionar óleo aos poucos!

Vegana

Para quem se preocupa com a alimentação ou não consome ovos, o que não falta são receitas de opções mais naturais. Uma alternativa é bater no liquidificador abacate maduro (de preferência o avocado, que tem sabor mais suave), água, limão, sal, azeite — sempre adotando o mesmo processo. Também dá para fazer maionese vegana usando tofu firme, castanhas hidratadas, couve-flor e até inhame!

Qual tipo de maionese é melhor: caseira ou industrializada

Essa, sem dúvida, é uma grande polêmica, mas o certo é que, na hora de escolher qual maionese usar, é fundamental ter em mente qual é o objetivo.

Isso porque a maionese caseira deve ser consumida em até 24 horas após o preparo, ou seja, nada de guardar na geladeira aquele salpicão do almoço para o dia seguinte! É aí que a maionese industrializada se torna uma grande aliada.

Restaurantes, bufês e outros fornecedores de comida devem apostar nessa opção segura e econômica. Assim, evita-se contaminação e há a possibilidade de deixar alguns alimentos preparados com antecedência, ou até mesmo congelar.

Caso, em um dia especial, você opte por fazer uma maionese caseira, tenha muita atenção à procedência dos ovos, já que a salmonela é uma bactéria perigosa. Outra opção é optar pelas maioneses feitas com ovos cozidos. Ou seja, existem vários tipos de maionese deliciosos, e cabe a você escolher qual é o melhor para a receita que pretende fazer.

Se você trabalha com grandes quantidades de alimentos e quer se resguardar e economizar, procure comprar a maionese em maiores quantidades, sempre com empresas capazes de oferecer os melhores produtos do mercado. Clique aqui e confira a nossa sugestão!