inicio copy

O fermento é um agente enzimático que promove a levedação nas receitas, ou seja, é ele o responsável por fazer aquele delicioso bolo de chocolate crescer ou o pão ficar fofinho. Atualmente é até difícil imaginar a culinária sem a presença desse ingrediente, uma vez que, desde sua invenção, ele está presente nas cozinhas domésticas e industriais realmente fazendo a diferença na produção de massas.

O fato é que, com o avanço tecnológico e o surgimento de novas pesquisas, acabou-se descobrindo fórmulas de outros tipos de fermentos, de modo que hoje em dia há uma grande variedade desse ingrediente disponível no mercado. Quer saber quais são os principais tipos de fermentos e como você deve usá-los em suas receitas? Então continue lendo o nosso artigo!

Fermento biológico seco

fermento biológico seco é composto por organismos vivos — enzimas, fungos e leveduras —, que são ativados ao entrar em contato com água e farinha. Esse tipo de fermento produz gases que fazem a massa crescer lentamente, além de conferir leveza e sabor aos alimentos. O produto vem em pacotinhos e potes a partir de 15 gramas, podendo ser conservado livre de refrigeração, já que não tem umidade. O fermento biológico seco é indicado especialmente para fazer massas de pizza, pão, rosquinhas, esfirras e outros salgados.

Fermento biológico fresco

O fermento biológico fresco age da mesma forma que o fermento seco, mas apresenta 70% de umidade. É conhecido como fermento de padaria, podendo ser encontrado em embalagens de 15 gramas ou ½ quilo. É composto por substratos diversos e precisa ser mantido sob refrigeração para preservar sua capacidade de fermentação. Deve ser usado em massas doces e salgadas de pizza, pães e rosquinhas.

Fermento químico

Esse tipo de fermento possui ácidos orgânicos e bicarbonato na composição. Assim, o produto reage quando entra em contato com umidade ou com altas temperaturas. Vale ressaltar que os fermentos químicos são recomendados, especialmente, para o preparo de massas moles, de bolos, tortas salgadas, sobremesas de liquidificador, produtos de confeitaria, dentre outros. Uma diferença significativa entre os fermentos químicos e os fermentos biológicos é que o primeiro tem uma ação rápida, já a fermentação biológica por levedura é um processo mais lento.

Fermento físico

Nem todos sabem, mas existem também os fermentos físicos, conhecidos também como fermentos naturais. Algumas receitas de bolo e doces requerem esse tipo de fermentação, que dispensa o uso de agentes de origem biológica e química, produtores de gases. Na verdade, a fermentação física ocorre quando se incorpora à massa em questão alguns elementos aerados. Um bom exemplo de fermento físico é a clara em neve. Já reparou que ao acrescentar claras em neve ao suflê, a massa cresce e fica levinha? Pois isso só é possível porque o ar é incorporado à receita, possibilitando, assim, uma fermentação natural e instantânea.

Agora que você já conhece os tipos de fermentos vai ficar muito mais fácil acertar na escolha para cada receita, não é mesmo? Pois para encontrar boas opções de fermentos para suas receitas de pães, bolos e tortas, acesse nossa seção especial e já faça sua listinha!